Mafalda Borges Soares

Marcel Proust nasce a 10 de Julho de 1871 em Auteuil. Filho de JeanneWeil, burguesa de origem judaica, e do reputado médico Adrien Proust, o jovem Marcel cedo se revela uma criança doente, com sucessivas crises de asma (mais precisamente, a partir da Primavera de 1881). Frequenta, entre 1882 e 1889, o LycéeCondorcet, escrevendo nessa época pequenos textos e poemas. A sua formação é muito variada: após o liceu, lança-se no estudo do direito, das ciências políticas, da filosofia e das letras. Mais tarde, considera seguir as carreiras de diplomata, de ajudante de notário e de bibliotecário, acabando, no entanto, por desistir de todas elas. A partir de 1895, a actividade literária do autor demonstra-se bastante variada: da tentativa de romance (Jean Santeuil) à tradução (Bible d’Amiens e SésameetlesLys), esta passa ainda pelo pastiche para enfim chegar à crítica literária. Desde o início do seu percurso literário até 1908, ano em que enceta a escrita da presente obra, Proust não só beneficia de um amadurecimento dos seus princípios estéticos, como faz ainda um uso cada vez mais frequente de material pseudo-autobiográfico. Estas duas componentes (crítica literária e memórias pseudo-autobiográficas) serão a base dos escritos que constituem o seu Contre Sainte-Beuve. Sabe-se, de igual modo, que o escritor, por volta do Verão de 1909, procura publicar as partes teóricas e ficcionais até então escritas em torno da crítica a Sainte-Beuve sob um mesmo título: Contre Sainte-Beuve, Souvenir d’une Matinée. O desejo de dar a público este seu artigo cedo se dissipa após a recusa da sua publicação por parte de Valette no Mercure. Não se sabe ao certo quando terá sido abandonado o projectoContre Sainte-Beuve; sabe-se tão-somente que, no Outono de 1909, os escritos de Proust são já esboços daquilo que será, mais tarde, a sua obra-prima: À la RechercheduTempsperdu.

/

Mafalda Sofia Borges Soares nasceu em Lisboa a 18 de Dezembro de 1989. Licenciou-se em Línguas, Literaturas e Culturas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo terminado o seu Mestrado em Tradução na mesma faculdade. A presente tradução foi, em parte, objecto do seu projecto de fim de Mestrado, tendo pela mesma obtido a nota de 19 valores. Anos mais tarde e já em Paris, onde actualmente trabalha numa editora, Mafalda decidiu completar este seu projecto, acabando por traduzir a integralidade desta obra póstuma proustiana. Em Outubro de 2017, a tradutora voltou novamente à Faculdade de Letras, desta vez como aluna (à distância) de um Doutoramento em Estudos Portugueses e Românicos. A sua tese incidirá sobre a ideia de Outro na obra de Marcel Proust e de Clarice Lispector.

Obrigado pela sua visita

Antes de nos deixar, subscreva a nossa newsletter e fique sempre informado sobre os nossos livros.